Bandeirantes (2018) 
Impressão UV sobre caixas de arquivo de papelão. 650 x 200 cm.
Sobre a face de caixas de arquivo abertas, conhecidas no Brasil como arquivo morto, foram impressos detalhes da fotografia do evento de inauguração da Rodovia dos Bandeirantes, em 1978, ostentada até a atualidade como a “melhor” rodovia do Brasil.
O trabalho é apresentado através de fragmentos que ressaltam os envolvidos no evento político de inauguração do trecho da rodovia entre as cidades de São Paulo e Campinas. Estão presentes o presidente da ditadura militar a época, Ernesto Geisel, seu sucessor, João Figueiredo, entre outras personalidades da política e do empresariado como Paulo Maluf, Paulo Egydio Martins, Dirceu Nogueira, general Gustavo Morais, Jorge Ribeiro e anônimos esquecidos pelo tempo.
O trabalho propõe um olhar sobre a fotografia, o evento e a construção da rodovia que como o próprio nome indica se associa ao imaginário autoritário e colonizador dos Bandeirantes. Além disso, o próprio título do trabalho busca associação com a “Operação Bandeirantes”, que teve a participação de integrantes da imagem e que manifesta as relações entre militarismo, empresariado e políticos que constituiu o governo de exceção. Os arquivos abertos impressos promovem a relação do fragmento com o todo, como peças em um grande quebra cabeça.
O trabalho ecoa na atualidade através da associação entre militarização, contexto político conservador, corrupção e o discurso de progresso baseado no crescimento econômico.